• Search form is empty!

  • Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

    Análise Semanal: Violet Evergarden #2 - O aflorar das Emoções



    Logo quando estreou, Violet Evergarden se colocou em uma posição mais complicada do que o comum para o hype da temporada, já que pela primeira vez desde muito tempo toda a expectativa estava depositada em um slice of life, um tipo de obra que não costuma atrair a todos e que geralmente tem como característica o seu desenvolvimento lento e com menos reviravoltas.

    Outro ponto que chamava a atenção sobre todo esse hype é que ele era simplesmente gerado pelo grande visual e animação demostrados nos vídeos comerciais, o que novamente poderia, após o lançar dos episódios, gerar grande evasão daqueles telespectadores impacientes e movidos por pura expectativa pouco infundada.

    Graças a essas condições este segundo episódio lançado começa a ser um divisor de águas para aqueles que realmente vão ou não assistir o decorrer da série, tendo como principal responsável o tão conhecido "desenvolvimento lento" de muitos animes slice of life, o que trai as esperanças dos fãs do puro shounen de batalha. Levando dessa forma Violet poder aos poucos se tornar um anime de nicho, caso os demais episódios sigam esta formula.

    Porém não se deve enganar, Violet Evergarden continua espetacular para o tipo de anime que se propõe ser, mesmo tendo uma leve queda se comparado a sua estreia, o que é totalmente natural e muitas vezes usado como "ponte" para novos desenrolares.

    Neste episódio podemos focar mais nas emoções, no trabalho de fato da personalidade da protagonista, até agora mais colocada como alguém sem sentimentos, principalmente quando se refere ao que podemos chamar de "aflorar das emoções", que por sinal é inversamente demonstrado no sentido literal na passagem entre um dia para o outro, coincidentemente ou não, em um momento onde Violet, não sabendo interpretar corretamente os sentimentos da remetente da carta, acaba vindo por "errar" e estragar os planos de namoro da jovem.



    Além de Violet, o episódio dividiu as atenções com a garota de óculos, o que foi um passo a frente na tentativa desta se tornar uma obra que não dependa exclusivamente da protagonista para tudo, conseguindo assim manter um desenvolvimento do mundo a sua volta, aos poucos explorando os dramas pessoais de cada um.

    E com essa temática Violet demostrou com mais clareza uma serie de outros detalhes espetaculares, deixando visível a total dedicação dos produtores para com a obra. Neste caso, o mais perceptível foi a quantidade de foco que os animadores dão as expressões faciais, sobretudo aos olhos e sobrancelhas, ou quando com a mescla de cores e um simples corar, de acordo com a posição e clima, muda sua tonalidade criando um ambiente muito mais emotivo e assim efetivo.


    Dessa forma percebemos que a grandiosa animação de Violet não se resume a apenas fanservice, desempenhando um papel fundamental em toda a obra, colocando-a em outro patamar quando se trata sobre transmitir uma mensagem, um sentimento ou simplesmente nos apresentar esse grandioso e belo mundo ao estilo vitoriano.

    Mesmo com todas as características Violet, como dito anteriormente, teve um episódio abaixo de sua estreia, e um dos fatores que mais vejo gerar esta conclusão é a falta de lugares apresentados, notando-se assim, que este é um anime que não vai depender apenas de pura movimentação na trama, mas sim de saber aproveitar em seus episódios o máximo de cenários e locais possíveis, apresentando uma grande diversidade, que é uma das coisas que a obra sabe fazer de melhor.

    Assim, tivemos que acompanhar a protagonista em suas desaventuras profissionais neste episódio, o que era facilmente previsível após o final de sua estreia.

    O futuro ainda é incerto, Violet -agora a protagonista- tem um grande caminho a percorrer, e com isso espero novos locais, novas explorações, e a felicidade de vê-la ganhando mais e mais conhecimento do mundo a sua volta.

    Nota do episódio: 3.5/5